Livre-arbítrio: você está no comando da sua vida?

Descubra por que às vezes parece que não mandamos em nós mesmos

Acontece a toda hora: você se planeja para acordar às 6 horas, mas aperta várias vezes a soneca do despertador e acaba levantando uma hora mais tarde. Você quer ser educado, mas quando vê já te tiraram do sério e respondeu como não queria. Você faz tudo para chegar ao compromisso no horário, mas o telefone toca, o trânsito aperta e acaba se atrasando. Você se matricula na academia, paga, planeja ir, mas chega na hora dá uma preguiiiiça e você não sai do sofá. Você quer tratar todo mundo igualmente, mas quando chega alguém diferente de você (opção sexual diferente, nível de escolaridade, cor da pele, estilo de roupa que não é o seu, forma de se comportar diferente da sua) você tem pensamentos que não gostaria, ri mentalmente da pessoa ou até trata de forma diferente. E aí você se pergunta: mas por que raios não consigo fazer as coisas que eu quero? Será que estou mesmo no comando da minha vida? Existe livre-arbítrio?

O livre-arbítrio é uma ilusão?

Livre arbítrio seria a capacidade de tomar decisões por conta própria, a capacidade de escolher como agir e se comportar. Um famoso e polêmico estudo de neurociência do norte-americano Benjamin Libet, da Universidade da Califórnia, de 1983, diz que o livre arbítrio é uma ilusão. Não existe! Basicamente, os experimentos de Libet consistiam em monitorar a atividade cerebral de voluntários antes e durante a execução de ações simples. Tais voluntários eram instruídos a pressionar um botão enquanto assistiam ao ponteiro de um relógio rodando e deveriam executar tal ação quando sentissem vontade, por sua própria iniciativa. Os resultados da pesquisa indicaram que havia atividade cerebral inconsciente bem antes da ação motora dos voluntários. Para o pesquisador, isso indicaria que não temos poder de escolha, não temos livre-arbítrio, já que a decisão ocorre antes de termos consciência. Decidir, portanto, não seria nada mais do que uma interação de moléculas cerebrais sob a qual não temos controle.

O cérebro decide por nós?

O estudo de Libet e outros na mesma linha até hoje são bastante polêmicos. Há ainda quem apoie essa visão. Mas outros a rechaçam fortemente. O neurocientista Facundo Manes, autor do livro “Usar o cérebro”, afirma que “os que argumentam que o livre-arbítrio não existe costumam se referir aos seres humanos como uma coleção de moléculas que devem obedecer às leis da física” e ele questiona: “se nossas decisões veem predeterminadas pela interação de moléculas que formam o nosso cérebro, não deveria ser igualmente fácil ou difícil decidir o que vamos comer ou que carreira seguir?”. Já o pesquisador William R. Klemm, professor de neurociência da Universidade A&M do Texas e autor do livro Atoms of Mind, diz que o fato de  que “algumas escolhas subconscientes são feitas antes percepção da consciência durante uma tarefa não prova que toda a nossa vida mental funciona dessa maneira”. Ele argumenta que tarefas complexas são diferentes das simples e apertar um botão pode ser uma tarefa tão simples que o subconsciente pode resolver e não precisa recrutar assistência da mente consciente.

Duas maneiras de decidir

O fato é que somos movidos por duas formas de pensar e que regem as nossas decisões. Uma forma é subconsciente, automática, sem reflexão, em que somos movidos principalmente pelas emoções, a partir dos estímulos do momento, do agora, sem pensar e seguindo padrões que foram se estabelecendo no nosso cérebro ao longo de nossa vida. Esses padrões nos induzem a agir de uma determinada maneira pelo que aprendemos com nossas experiências anteriores e que não necessariamente combinam com o que desejamos racionalmente ser. E a outra maneira de pensar, que é responsável pela decisão consciente, envolve reflexão, ponderação, análise das variáveis. Essa segunda envolve tempo e esforço mental. Há que se considerar que tomamos decisões a todo momento! Muitas decisões! Desde as mais simples – como falar algo, abrir uma gaveta, sorrir para colega, mover uma parte do corpo –  às mais complexas – resolver ter um filho, comprar uma casa, mudar de cidade, abrir um negócio. Como precisamos de agilidade dado o número de decisões que tomamos todo dia, em grande parte das vezes, acabamos decidindo de forma inconsciente, para poupar esforço do cérebro e até para liberá-lo para quando realmente necessário.

Fora de si

E por que às vezes parece que não agimos como gostaríamos? Por que a sensação de estar fora de si em determinadas ocasiões, que vem acompanhada de arrependimento depois? Isso acontece justamente porque agimos de maneira automática, emocional e não de forma consciente. Racionalmente você se planeja para acordar às 6h, mas quando chega o momento e você está com sono, a cama está confortável, é preciso força de vontade para superar o emocional e trazer a ação para o racional para não apertar a soneca do despertador. No auge da discussão, você responde de forma emocional, da maneira que aprendeu a reagir quando sente tais emoções e não da maneira que racionalmente acha adequado. Diante de uma pessoa diferente de você, às vezes pode agir de maneira preconceituosa antes mesmo de ter consciência sobre isso, por que ao longo da vida foi condicionado a se proteger dentro do seu próprio grupo, dos similares a você e a afastar os diferentes.

É você

Mas de uma forma ou de outra – agindo pela razão ou pela emoção – ainda é você. Não dá pra tirar o corpo fora e falar “eu estava fora de mim”. Sim, o seu cérebro inconsciente comanda algumas ações – ou a maioria delas – mas o seu cérebro inconsciente também é você. Aliás, você é o seu cérebro! Portanto, existe sim, livre-arbítrio! Embora a discussão possa ir longe se pensarmos em termos de influências culturais, genéticas, nutricionais, pressões sociais, entre outras, que podem interferir nas suas decisões. Ainda assim, é você que está no comando!

No comando

E o que fazer para não agir de uma forma que você não gostaria? Dá pra se livrar dessa sensação de que não consegue fazer as coisas que quer e de que não está no comando da sua própria vida? A dica é tentar automatizar comportamentos que você racionalmente quer ter. Através da repetição do comportamento desejado, do treino, proporcionando-se recompensas ao conseguir se mantê-lo, monitorando com a consciência até que esse comportamento se torne realmente automático. E já vou avisando: dependendo do comportamento, isso não é fácil, leva tempo e requer dedicação. Mas, sim, é possível! E não esqueça jamais: você está no comando!

 


Aprender neurociência é conhecer a forma como nosso cérebro interpreta o mundo e como as nossas emoções influenciam as nossas reações e nosso comportamento!

Como proporcionar a mudança na vida das pessoas sem entender as bases emocionais do cérebro e os padrões de comportamento?

Somos uma empresa especializada em cursos de neurociência para públicos com os mais variados interesses e necessidades. Acreditamos que o conhecimento sobre o funcionamento cerebral pode mudar a forma como nossa sociedade se desenvolve e gera valor e qualidade de vida para todos.